José Narciso

Coorator Jose Narciso

My name is José Narciso, I was born in Belo Horizonte - Brazil. As a child, I would see my grandpa's drawings: it was love at first sight. 

I couldn’t grasp how much sincerity a drawing can hold until I experimented  on my own, until I started drawing and realized that it was more difficult than I could have imagined. I studied for many years - my notebook and my pencil were my companions for years. I drew everything, I like to draw and scribble, to simply "sit down and draw” without any pretension of being an artist. 

I had an ordinary education, where art does not occupy a very prominent space. So I didn't get interested, I forgot my childhood dreams of being an artist for a while and went first to law school and then business administration, both without graduating - I wasn't happy there. That's when I woke up to my life and decided to pursue my dreams without the fear of being an artist.

I paint, draw, work with sculptures, interventions and I’m glad I followed my own path. Nowadays I work with sincerity, feelings. It's about working with the uncertainties of feelings and being vulnerable when exposing yourself to the audience. In my artworks, I translate my current life with colors and movement. Political issues are brought onto the papers, and the stories I've been told are illustrated through my own imagination. 

[ORIGINAL IN PORTUGUESE]

‪Me chamo José Narciso, nasci em Belo Horizonte mas fugi pra Betim muito antes de poder andar. Na infância conheci os desenhos do meu avô, foi paixão à primeira vista, não imaginava a sinceridade que cabia num papel até experimentar por conta  própria, até que comecei a desenhar e percebi que era mais difícil do que imaginava. Estudei por muitos anos, eu, meu caderno e meu lápis, companheiros durante anos. Desenhava tudo, gostava de desenhar só pelo rabisco, pela beleza que tem no “ato de sentar e desenhar” sem pretensão de me tornar um artista. ‬

‪Passei por um sistema de ensino comum, ordinário, onde a arte não ocupa um espaço muito grande, muito menos é cogitada a possibilidade do estudante se interessar pelas artes. Logo, não me interessei, guardei na gaveta por um tempo o sonho da infância e logo entrei na faculdade de direito, sem formar, tentei administração, sem formar, desisti. Foi aí que eu acordei pra minha vida, viver sem medo de seguir o sonho de ser artista. ‬

Pinto, desenho, trabalho com esculturas, intervenções e amo demais ter desistido daquelas faculdades. Hoje em dia trabalho com a sinceridade, o que habita por debaixo da minha pele, o sentir. Trabalhar na escuridão que é a sinceridade, na incerteza de se mostrar pra multidão.‬


No meu trabalho, o lugar que eu vivo e ocupo encontra cor e movimento, questões políticas urgem pelas bordas dos papéis, e as histórias que me contaram volto a contar com minhas formas. ‬